A Desencarnação



Compartilhar no Facebook

Marta Antunes de Moura - FEBnet

A morte do corpo físico é fenômeno natural que atinge  todos os seres da Criação, cedo ou tarde. A desencarnação acontece quando os laços peripirituais, até então mantidos enraizados, molécula a molécula no corpo físico, se desfazem, concedendo liberdade ao Espírito que passa a viver em outra dimensão da vida.

Segundo o Espiritismo,  a morte é  ?[?] uma simples mudança de estado, a destruição de uma forma frágil que já não proporciona à vida as condições necessárias ao seu funcionamento e à sua evolução. [?].1 Ensina igualmente:  a separação do Espírito  do corpo que lhe pertencia não é   dolorosa, sobretudo quando das mortes naturais, que decorre dos desgastes biológicos dos órgãos2, como também  não é uma separação  brusca. A ?alma se desprende gradualmente e não escapa como um pássaro cativo a que se restituiu subitamente a liberdade.[?].?3  Assim,nunca é demais lembrar:

[?] A observação comprova que, no instante da morte, o desprendimento do perispírito não se completa subitamente; que se opera gradualmente e com uma lentidão muito variável conforme os indivíduos. Em uns é bastante rápido, podendo dizer-se que o momento da morte é também o da libertação, que se verifica logo após; em outros, sobretudo naqueles cuja vida foi toda material e sensual, o desprendimento é muito menos rápido, durando algumas vezes dias, semanas e até meses, o que não implica a existência, no corpo, da menor vitalidade, nem a possibilidade de um retorno à vida.  [?].De fato, é racional conceber-se  que, quanto mais o Espírito se tenha  identificado com a matéria, tanto mais penoso lhe seja separar-se dela,  ao passo que a atividade intelectual e moral e a elevação dos pensamentos operam um começo de desprendimento, mesmo a vida durante o corpo.[?].4

A falência dos órgãos e o desprendimento perispírito que se segue definem o estado de transição ou de passagem de um plano para outro. Neste momento, o Espírito encontra-se inconsciente5, situação que pode perdurar por um maior ou menor espaço de tempo, da acordo com as condições pessoais de cada um.

 A chegada no plano espiritual, porém,  pode ser sofrida ou não. Trata-se de um sofrimento moral. É a alma que sofre, não o corpo, pois este transforma em matéria inerte, morta, em processo de decomposição. O  sofrimento poderá ser mais agravado se o Espírito se manter jungido ao corpo em decomposição e à vida que se extinguiu.

Situações semelhantes são encontradas em certos gêneros de suicídios, em homicídios; em desencarnantes presos a profundos remorsos, ou, ainda, em Espíritos vinculados aos prazeres da vida material, apegados excessivamente a bens e/ou pessoas. Nestas circunstâncias, a morte é vista  como uma perda irreparável, um sofrimento atroz, uma sensação de destruição total, porque ele, o Espírito, desconhece a sua própria imortalidade que existe e preexiste à morte do veículo somático.

 Situação bem diversa acontece com o Espírito que durante a existência se deixou conduzir por uma vida mais simples, sem ganâncias ou ambições exageradas; que procurou desenvolver virtudes, combatendo imperfeições; que praticou a caridade, promovendo o bem; que cumpriu os seus deveres familiares, profissionais e sociais.

 A sua desencarnação será mais amena;  os sofrimentos e as angústias do período de transição serão passageiros e breves;  a adaptação  na nova moradia será tranquila, sabendo administrar com serenidade a saudade dos entes queridos que permanecem reencarnados, e as surpresas do além-túmulo.

 Ajustado à vida no plano espiritual, o Espírito  colherá, então,  os frutos, bons ou amargos,  do que semeou durante a experiência reencarnatória, se submetendo, no final das contas, à lei de progresso. É o que nos lembra André Luiz quando aponta  o valor da desencarnação como lei divina:

Toda morte traz dor.

Sem a desencarnação, porém, não atingiríamos a renovação precisa, largando processos menos felizes de vivência ou livrando-nos da caducidade no terreno das formas.

Compreendamos, em face disso, que não podemos louvar as dificuldades que nos rodeiam, mas é imperioso reconhecer que, sem elas, eternizaríamos paixões, enganos, desequilíbrios e desacertos, motivo pelo qual será justo interpretá-las por chaves libertadoras, que funcionam em nosso Espírito, a fim de que nosso Espírito se mude para o que deve ser, mudando em si e fora de si tudo aquilo que lhe compete mudar.6

Bibliografia

  1. DENIS, Léon. O Problema do Ser, do Destino e da Dor. 1. ed. Rio de Janeiro:FEB, 2008. 1ª Parte (O Problema do Ser), cap. X (A morte), p.175.
  1. KARDEC, Allan. O livro dos espíritos.  céu e o inferno. Tradução de Evandro Noleto Bezerra.4. ed. 1. Imp. Brasília: FEB: 2013. Questão 154-comentário, pág. 113.
  1. ______. Questão 155-a, pág. 113.
  1. ______. Questão 155-a-comentário, p.114.
  1. ______. O céu e o inferno. Tradução de Evandro Noleto Bezerra. 2. ed. 1. Imp. Brasília: FEB: 2013. 2ª Parte. Cap. I, it.7,  pág. 157.
  1. XAVIER, Francisco Cândido/WORM, Fernando. Janela para a vida. 1. Ed. Porto Alegre: Francisco Spinelli, 2014. Cap. VI, , p. 128
reproduzido na integra através do link público: http://www.febnet.org.br/blog/geral/colunistas/a-desencarnacao/

Este Site é patrocinado por:
 

"E conhecereis a verdade e a verdade vos libertará ." (Jesus) Conheça mais do Espiritismo, Encontre aqui um centro espirita de sua cidade.  
Divulgação (Apoie, ajude e/ou participe com estas Instituições)
Instituições sem fins lucrativos:
        

Casas Espíritas:
 Casas André Luiz                           
O verbo perder e morrer sempre serão colocados entre aspas nas matérias, pois no espiritismo não acreditamos que ninguém perde ninguém nem que a morte exista, acreditamos em uma separação física momentânea.
2012 - www.vencendoasperdas.com.br - Ajudando a divulgar o espiritismo Kardecista. ***
* Allan Kardec, foi o codificador do espiritismo, porem o espiritismo é obra do mestre Jesus, ditado por diversos espiritos de superior hierarquia.
** Offline - Não será publicado no site, a resposta será enviada somente ao seu e-mail

TAGS


A visão espírita Kardecista ajudando os pais a superarem a perda de um filho., morte, perda,reencarnação,além, plano espiritual,desencarne,caridade, fraternidade,Deus,Jesus,Meimei, Emmanuel,Chico Xavier, espiritismo,Allan Kardec, Bezerra de Menezes,como superar a morte,como superar a perda,desencarne,desencarnou,falecida,lidando com a morte,meu avo faleceu,meu avô morreu,meu filho faleceu,meu filho morreu,meu marido faleceu,meu marido morreu,minha avó faleceu,minha avó morreu,minha esposa faleceu,minha esposa morreu,minha filha faleceu,minha filha morreu,morta,morte de ente,perda de ente,perdi meu filho,perdi meu marido,perdi minha esposa,perdi minha filha,superando a morte,superando a perda,vida apos a morte,vida no alem como aceitar a morte,como superar a morte,aceitando a morte,superando a morte,como aceitar a morte de ente querido,como superar a morte de ente querido,aceitando a ,morte de ente querido,superando a morte de ente querido,desencarnação,desencarne,desencarnado,como aceitar a morte de alguém,como superar a morte de alguém,como vencer a morte de alguém,PERDA DE UM ENTE QUERIDO,Lidando com a Morte,Lidando com a perda de um ente querido,COMO LIDAR COM A MORTE DE UM ENTE QUERIDO,ninguem esta preparado para a morte
Versão MySql HotelDaWeb